Recordando os jogos de Dragon Ball – pt.II: Budokai 3

Lá estava eu feliz com meu Final Bout, me divertindo com o único jogo de Dragon Ball que conhecia, até que um dia um amigo me convidou para passar o dia em sua casa. Esse querido amigo tinha o incrível PlayStation 2 e foi me mostrar os jogos que tinha. Sabe aquilo que acontece, de você comprar um video-game novinho, ai seu coleguinha compra um melhor e você vê o quanto o seu é ruim? Dito e feito. Bastou eu jogar uma única vez Dragon Ball Z Budokai 3 para eu querer atirar meu PS1 no lixo e comprar o PS2, só para ter o Budokai 3. Quase um ano depois, finalmente consegui colocar minhas mãos no jogo e redescobri o que era jogar um jogo de Dragon Ball.

Comprei o jogo na época das férias, então dá para imaginar quantas horas foram dedicadas com ele. Sua abertura era perfeita, semelhante à de Final Bout, com animações de traço parecido com a do anime, mostrando cenas bacanas que nunca veríamos em outro lugar, como uma batalha entre Gogeta e Broly. Na minha opinião, todos os jogos deveriam continuar com esse estilo de abertura; nos jogos seguintes as animações computadorizadas não me agradaram em nada, mas… chegaremos lá!

Além da animação, a música da abertura era tão boa quanto The Biggest Fight. Mesmo minha versão do jogo sendo americana e tendo como música de abertura uma versão instrumental de Ore Wa Tokoton Tomaranai, de Hinorobu Kageyama, era possível já pegar o espírito do jogo e já ficar ansioso pela jogatina.

Entrando no menu do jogo, já somos surpreendidos com a enorme mudança desde Final Bout. Com muitas opções de jogo e tudo em inglês, jogar e salvar o jogo ficava bem mais fácil!

A primeira opção é, de longe, a mais interessante de todas. Dragon Universe é o ‘modo história’ do jogo, em que você passa por toda a saga Z, revivendo diferentes aventuras e batalhas, dependendo do personagem que você escolher no início. Escolhendo Goku obviamente você vivenciará mais batalhas e terá mais história a percorrer.

 

O bacana desse modo é que voamos pelo planeta Terra e por Namekusei, indo até os locais de batalhas ou acontecimentos, além de poder vagar pelo mundo em busca das sete esferas, com a ajuda do radar do dragão. Se estivermos próximos ao local de batalha, por exemplo, existe até um botão que se apertado faz sentir a energia ao redor e consegue chegar ao local de evento bem mais rápido.

A história é apresentada através de balões de fala, introduzindo o contexto da história e depois partindo para as batalhas entre os personagens. Esse modo de apresentação acaba ficando cansativo com o tempo e perde-se a vontade de passar balão por balão, pulando direto para as batalhas.

 

Com o decorrer do jogo e com as batalhas travadas, você vai conquistando experiencias e pode customizar os skills de seu personagem, dando um upgrade em seu sangue (Health), ki, ataque (Attack), guarda (Guard), ataques especiais (Arts), eficácia no uso das cápsulas (Ability) e I.A. quando o personagem é usado pelo computador  (COM).

A jogabilidade melhorou muito comparado com Final Bout (óbvio!). A única falha é a questão do voo; em Final Bout podíamos voar com “liberdade”, usando isso também como defesa. Em Budokai 3, você só consegue voar quando arremessa seu oponente no ar, ai você fica livre para voar e ir ao encontro dele.

Já com os combos, agora tínhamos algo mais formulado, podendo fazer uma sequência de socos e chutes, com teletransporte e ataques especiais. Entre as novidades, temos as barras de ki, a fatiga dos personagens, o burst mode, o hyper mode, o dragon rush e os ultimate attacks.

As barras de ki são duas, as grandes e pequenas; as grandes recuperam energia automaticamente enquanto as pequenas vão perdendo energia sozinha. Gastando muita energia com ataques especiais/ataques que usam ki, você pode chegar à fadiga, tendo que girar o analógico para conseguir se recuperar.

Outra coisa que leva facilmente à fadiga dos personagens são os teleportes e as esquivas (lembre-se de Piccolo gritando “DOOOOOOOOOOOOOOOOODGE!!!” em Dragon Ball Abridged). A esquiva em Budokai 3 é bem dinâmica, na hora do ataque do inimigo, você aperta botão de defesa junto com um direcional, conseguindo se esquivar do ataque e podendo até contra-atacar, se apertar defesa + frente. O problema disso é que as barras de ki facilmente se esvaem com isso e logo você estará vulnerável a um ataque ainda mais poderoso daquele que você se esquivara.

 

Outro aspecto do jogo, que teve grande melhoria em relação à Final Bout é o burst mode, que pode ser dividido entre disputa de poderes e disputa de golpes. No primeiro caso, é semelhante ao que já conhecíamos, dois ataques especiais se colidem e temos uma disputa para ‘empurrar’ o ataque em direção ao adversário, com o perdedor sofrendo enormes danos. O interessante aqui é que se a colisão dos poderes ocorrer muito próxima dos personagens, ocorre uma explosão e ambos sofrem danos consideráveis. Já para entrar no burst mode de disputa de golpes, os personagens devem se atacar simultaneamente com um golpe de impacto e os golpes devem se chocar, entrando nesse modo, em que os dois começam a lutar em alta velocidade e aquele que girar o analógico mais rápido finaliza a disputa com um forte golpe no adversário.

O hyper mode foi também uma grande adição ao jogo, permitindo que o personagem atinja altos níveis de energia, se esforçando mais que o normal e tendo ataques bem mais poderosos e também destravando o ultimate attack e o dragon rush dos personagens.

Os ultimate attacks são os ataques mais poderosos dos personagens, usados depois de se entrar no hyper mode e sendo um ataque ‘imbloqueável’. Quando ativado, aparecem barras na tela que se enchem algumas vezes. Apertando-se os botões na hora certa, você consegue ter uma barra mais cheia que seu adversário, tendo um ‘Attack Win‘ ou ‘Defense Win‘, dependendo de você estar atacando ou defendendo.

 

O dragon rush é outro modo que é ativado quando você entra no hyper mode, sendo um combo predeterminado para cada lutador, causando um enorme dano. Depois da disputa do modo começar, aparece um display com os quatro botões e o jogador deve apertar um dos botões. Se a defesa apertar o mesmo botão, então ele consegue se defender e o combo pára na hora, caso contrário, ele é atacado e o combo continua com mais outros dois ataques e displays para escolha do botão.

 

Além do Dragon Universe, no modo Dueling e no World Tournament podemos experienciar várias outras batalhas, com diferentes níveis de dificuldade e lutar com as dezenas de personagens disponíveis do jogo. Um acréscimo bem prático ao jogo foi uma sessão de treinamento, na opção Practice do menu principal, contando até com um tutorial com várias etapas para pegar a manha do jogo.

 

  

Outra coisa bem interessante do jogo é a introdução do quesito de edição das habilidades/técnicas dos personagens. Comprando-se cápsulas no Skill Shop, podíamos melhorar consideravelmente os personagens, além de poder realizar uma fusão caso o outro personagem esteja disponível.

 

E para encerrar essa não tão pequena recordação, um vídeo do gameplay de Dragon Ball Z Budokai 3, mostrando desde a abertura do jogo, com a música original de Hinorobu Kageyama, até a vitória sobre Nappa, no Dragon Universe. Confiram!

Agradecimentos ao nosso amigo Pedro,
que mostrou o quão ruim um PS1 era! ^^

11 Respostas para “Recordando os jogos de Dragon Ball – pt.II: Budokai 3

  1. CARACA! Minha cabeça explodiu! Nem eu lembrava que você jogou Budokai 3 na minha casa pela primeira vez. Realmente aquele jogo era muito bom (só perdendo pro Tenkaichi depois, do mesmo console). Uma pena que os jogos de DB ficaram muito piores depois do Tenkaichi 2 e muito repetitivos. Texto muito bom! hahaha Abraço!

  2. Bom post cara, bem descritivo. Bom se todos os textos sobre jogos de playstation fossem assim. Abraço.

  3. ja zerei tds os dbz disponiveis para ps2 esse realmente e um otimo jogo! Msmo com o ps3 e novos jogos eu recomendo para quem curte animes e dbz sera um marco na vida !

  4. oi genti eu amo este game eu ja zerei ele nao sei cantas veses eu amo a jogabilidade dele é muito bom mesmo eu recomendo…meu facebook ai (mayke.renam@hotmail.com) e tanbei meu msn é o mesmo genti boa…eu amo os jogos de dragonballz….

  5. muito bom esse blog, só queria que tivesse o download aqui.
    ou tem e eu só não estou achando?

  6. Depois das leis americanas e do fim de vários sites de download, paramos de disponibilizar conteúdo para baixarem..

  7. son ω, o que aconteceu com os antigos posts, tipo o de Original Soundtrack de Dragon Ball, Z e Kai, além do OST dos jogos, que foram disponibilizados anteriormente??

  8. Eu os tirei do ar, uma vez que estavam no megaupload. Até cheguei a upar no 4shared alguns conteúdos, mas recebi advertências e avisos de infração de copyright e parei de deixar arquivos para download para o blog não correr riscos de ser fechado.

  9. vlw son!
    mas ainda bem q eu já havia baixado eles antes.
    agradeço sua resposta!😀😀😀

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s